A #ondaverde, #br45il e #dilma13: quem venceu na internet? (Fábio Malini)


Assuntos: .



Fábio Malini

Quando acabou o primeiro turno das eleições presidenciais de 2010, uma febre geral contaminou a internet e o país. @Marina_Silva (PV) – a grande vencedora na web brasileira – recebeu quase 20 milhões de votos e empurrou uma eleição, quase ganha pelo PT, para o segundo turno. Logo de início, todo uma comemoração tucana ocorria na rede. Afinal, José Serra (PSDB) foi o que mais se beneficiou com a votação expressiva da senadora pelo Acre. O movimento mais nítido na internet se dava no site Twitter, com a emergência do levante digital #dilmanao. De outro lado, a hashtag #ondaverde (um link que armazena tudo que foi publicado sobre um assunto, no caso, ondaverde) explodia de felicidade, com milhares de usuários relatando o papel que tiveram ao colocar pautas que estavam deslocadas nas candidaturas de Serra e Dilma Roussef (PT). E repetiam o bordão de Marina: “Não vamos deixar a #ondaverde se tornar uma #ondapolitiqueira no segundo turno, por favor”.

Enquanto verdes e tucanos comemoravam, o clima, entre os partidários petistas, era de 2×2, depois de estarem ganhando, fácil, de 2 a 0. Algumas teses sobre o porquê da quantidade de votos de Marina rapidamente se espalhavam; a principal delas: Marina recebeu votos volumosos daqueles que se influenciaram pela circulação na internet de informações difamatórias sobre Dilma. Assim, pelo raciocínio lógico, o ativismo da campanha online de Dilma vacilou e foi trolada, como diz na linguagem internet, quando certo site/pessoa sofre ataques de difamadores e caluniadores, geralmente de gente inexpressiva. Aprofundando ainda mais essa lógica, a conclusão seria breve: surgia no Brasil um novo tipo de conservadorismo, o religioso pentecostal – a religião dos mais pobres, diga-se de passagem.

A tese veio trazida pelos blogs alinhados ao governo federal, veículos que foram fundamentais na vigilância e desvelamento das verdades profetizadas pela grande imprensa (Folha de São Paulo, Veja, Estado de São Paulo e Globo – chamado. por Paulo Henrique Amorim, de Partido da Imprensa Golpista, o PIG). Tanto a #ondaverde, quanto o conservadorismo religioso existiram. Mas é uma ficção atribuir a votação recorde de Marina à boataria online, sobretudo, porque na internet não há verdade que perdure muito tempo. Na prática, a #ondaverde (um movimento dos usuários da internet) venceu o PIG e os “blogs sujos” (termo chulo atribuído por Serra aos blogs ainhados a Lula) por trazer algo que nem um nem o outros abordaram, de fato, um debate mais qualificado das temáticas que o governo Lula fez avançar e que o partido de Serra fez criticar.

O tsunami verde venceu a grande imprensa porque não caiu na caricaturização midiática de uma Marina, considerada frágil, lulista e somente ambientalista, e inventou uma Marina forte e portadora de uma crítica ferrenha ao desenvolvimentismo dos seus opositores. Saiu da #ondaverde a ideia de Dilma como fantoche de Lula. Enquanto o PIG constituía uma imagem de Dilma como “amiga de Erenice”, a #ondaverde, nem aí, indagava por que Lula não escolheu Marina no lugar de Dilma. Queriam Lula de qualquer jeito. E foram fundo na investigação das falas equivocadas de Serra sobre o governo Lula, saiu da onda a pergunta: Serra, você apoia o Lula, e o FHC, não, por quê?. Ninguém notou isso.

De outro lado, a rede verde atropelou os blogs alinhados ao governo Lula, ao demonstrar que o foco da ação em rede deveria levar em consideração um Serra preso a sucessivos governos elitistas, mas não só isso. Não poderia estes, para ser independentes, se pautar numa defesa irrestrita e sem crítica ao movimento Dilma, sobretudo, porque havia questões ligadas à política de desenvolvimento que estavam sendo deixado para trás, sobretudo, a dura tensão entre agronegócio x devastação ambiental; grandes parques hidrelétricos x questão indígena; Olimpíadas x remoção dos pobres; algo muito básico para qualquer eleitor de classe média C se conscientizar rapidamente. A criação do #pergunteaoserra, uma sátira dos internautas ao político tucano, conquistou o grau de assunto mais twittado na véspera do 1º turno e revelava todo potencial da rede em desconstruir a imagem de um tucano que “gostava de Lula, mas não aceitava Dilma”. A #ondaverde tirou-lhe o próprio discurso, canibalizando-o para si, enquanto toda uma rede dilmista ficava em pé de guerra com a imprensa, à espera das edições do dia dos jornais e revistas. O erro de Lula foi ter ficado pilhado por esses blogs e vir com tudo contra a imprensa.

Há elementos que explicam a dinâmica da perda de voto da Dilma, a ascensão de Marina e a estacionada de Serra, do ponto de vista da análise de rede. No caso da Marina, entendo que teve a ver com o fato de contaminar o eleitorado mais jovem, que tem um voto mais volátil, e associado à defesa de uma política sem corrupção, mas também com um certa preguiça em escolher entre governo e oposição. Preferiram uma terceira via. Hoje ser jovem é ter consciência da ambiência social, está todo mundo irritado com poluição, trânsito, energia suja etc. Foi um recado claro. E se os candidatos pensarem que o problema é o fanatismo religioso vão despolitizar o debate público, criando uma ficção eleitoral das piores. E vão jogar esse grupo de eleitores sempre para o niilismo, ou seja, para o voto nulo. E aí uma nova onda vai surgir, a #ossemondaalguma. E a internet vai explodir com isso. Jovens já provaram que sabem afirmar sua potência e, acredito, que ninguém duvida deles (os pais aderiram em massa a potência dos filhos). A senadora acriana compreendeu isso e começou a usar o termo “poder jovem”. Nesse caso, o poder jovem já sabe que tem um poder de replicação na rede, algo que a imprensa detesta, porque quem replica mais é também mais ouvido, nessa comunicação pelo eco que é a própria internet. Eles não tinham nada a ver com a boataria.

Junto a esse grupo 01, há, segundo análise que faço da leitura dos tweets da #ondaverde, um grupo que não se identificava com ninguém, senão com um Messias ético. Possivelmente, o voto no segundo turno dessa turma foi nulo. É a turma orfã da Heloísa Helena. Um terceiro grupo é o da simpatia pelo governo Lula, mas que caiu na pilha ditada pela mídia e pelos blogs alinhados ao governo, que comentaram excessivamente escândalos de receita, Erenices e tutti quantti, repercutidos por Lula, Dilma e Serra. Embebidos pela raiva à imprensa, a velha guarda da imprensa alternativa (agora, online) acabou por dar mais elasticidade ao que a imprensa serrista mais queria: repercussão dos “seus” fatos. Mas não se tinha escolha, o trabalho desses blogueiros rendeu uma votação grandiosa da Dilma (com 1 milhão a mais de votos do que Lula em 2006), mas acabou por contribuir na fuga desse terceiro grupo que Dilma precisava para levar a eleição no 1º turno. Esse eleitor fugiu da dialética midiática das eleições. Contudo, findada a dialética, esse grupo de eleitores, mais moderado e com preocupação social, voltou para engrossar o coro daqueles que se preocupam com a possibilidade de o país ser governado por Serra, um “ambientalista convicto”, para usar expressão irônica do próprio tucano. E há, na #ondaverde, há um quarto grupo, que, de imediato, se juntou a hashtag #dilmanão (feita de três tweets apenas, num esforço grande da equipe de Serra de mantê-la no topo dos Trending topics, usando um batalhão de robôs spammers). O #dilmão é aquele seis milhões de votos que teve Alckmin em 2006 no primeiro turno e Serra, não. É uma gente cool, chique e que não gosta de negro na universidade e de classe C andando de avião, como gosta de dizer a professora de comunicação Ivana Bentes.

Marina teve forte presença na rede também de maneira individual, seus tweets foram quase sempre “verdadeiros” (escrito por ela mesma), opinativo e conversacional, enquanto todo uma linguagem de agendas e agradecimentos marcavam os perfis de outros dois candidatos (sem falar no Plínio, com os seus ótimos momentos em frente à sua webcam). Marina também contou com estrelas pop da internet, como a turma do CQC. Mas a questão fundamental é que o movimento da rede seguiu um grande plano de despolitização, que redundou na tensão entre a blogosfera e a imprensa, muito associado a troca de escândalos entre essas partes. E a mistificação desse “encantamento com a política” acabou, de forma oportuna, sendo gerido pela Marina.

A principal aprendizagem tirada do #ondaverde é que o Obama nunca surgirá no Brasil Digital. É coisa de lá e pronto. Uma outra foi a falta que fizeram o papel dos intelectuais (de nicho ou de massa) no campo da produção de discurso para Dilma e para Serra. Uma rede que pudesse propor e participar de linhas de pensamento maduras e não condená-la a um fluxo de sucessivas e intermináveis ondas do vale tudo e baixarias (não é à toa que o perfil do intelectual Emir Sader no Twitter se transformou em um oásis num mar de tensão dialética midiática). No segundo turno, aconteceu o óbvio, a hashtag #ondaverde foi tomada de assalto por dilmistas e tucanos. Pouco exigida no primeiro turno, a militância desabrochou na internet. Não deu outra, o movimento #dilmanao logo rivalizou-se com uma centena de movimentos pró-Dilma, cuja bolinha de papel foi o ápice da virada dilmista da rede. O PT ganhou, mas tomou uma sova na internet. Só não apanhou mais porque a rede, para além dos brutamontes e do marketeiro do partido, foram atropelados pela potência de milhares de eleitores da rede, que, com muita criatividade, foram capazes de reverter a investida consevadora na internet. Na última semana antes da votação, #dilma13 dominava todas as redes. Com folga, muita folga. Contudo, depois de uma semana da vitória, Dilma esqueceu do seu Twitter. Mas os opositores, não.



Comments are closed.




Editorial Universidade Nômade Edição Atual
Trânsitos Maquinações Edições Anteriores
Conexões Globais TV Global Sobre
Dossiê Galeria Contato
Licença Creative Commons
Os textos da Global Brasil estão sob uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
Global Brasil é uma publicação da Rede Universidade Nômade
Global Brasil é a edição brasileira associada ao izle
Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião da revista.