Indignação no MundoBraz


Assuntos:



O número 14 da Global, totalmente online,  traz o debate sobre os processos de indignação que ocorrem desde a Praça Tahrir, no Egito, aos POBRES cariocas que estão sendo REMOVIDOS em função do processo de desocupação por conta das obras das Olimpíadas de 2016; das manifestações contra a democracia dos poucos na Espanha aos desmonte da democratização real que sofre o atual Ministério da Cultura, no Brasil. Em comum, essas lutas são marcadas pelas dimensões produtivas da vida, que resiste a se deixar capitalizar.
Na indignação diante do escandalo dos ricos que impoem o custo da crise aos pobres, está se recompondo uma nova nova classe de trabalhadores.
São essas lutas “indignadas’ dos pobres, dos favelados removidos, dos bombeiros e professores do Rio de Janeiro, dos estudantes de Vitória pelo passe livre, dos operários de Jirau e da Volks do Paraná pela remuneração de um trabalho que hoje em dia envolve a vida, que devem constituir o horizonte político diante da crise cada vez mais profunda do capitalismo global. Somente nas lutas desse Brasil “menor”, dos pobres, da inovação democrática e “reinvenção” de Porto Alegre, é possível enfrentar o desafio MAIOR de trilhar novos caminhos: para fora da globalização neoliberal e continuando a derrotar as grotescas tentativas da elite ultra-conservadora e de sua “turminha” do “Basta” de se “indignar” para impor seus escandalosos interesses. O Brasil somente será “maior” se conseguirá a transformar a significação desse adjetivo: o que nos interessa é o maior dos pobres, dos trabalhadores, dos sem terra, ou seja do Brasil menor!
Este número da Revista Global Brasil traz então a definição conceitual e política de biolutas, para buscar dar conta desses novos conflitos, protestos e tumultos, que são marcados justamente em torno do duplo e paradoxal processo de inclusão e fragmentação da vida no trabalho. É dentro do conceito de biolutas que a Rede Universidade Nômade tece, neste novo número da Global, sua perspectiva de análise dos acontecimentos desse MundoBraz, ou seja, desse processo de exploração que atravessa todo o globo, ao mesmo tempo, que dentro dele nascem novas perspectivas de construção de espaços comuns de lutas e políticas democráticas.

O número 14 da Global, totalmente online,  traz o debate sobre os processos de indignação que ocorrem desde a Praça Tahrir, no Egito, aos POBRES cariocas que estão sendo REMOVIDOS em função do processo de desocupação por conta das obras das Olimpíadas de 2016; das manifestações contra a democracia dos poucos na Espanha aos desmonte da democratização real que sofre o atual Ministério da Cultura, no Brasil. Em comum, essas lutas são marcadas pelas dimensões produtivas da vida, que resiste a se deixar capitalizar.

valdean bombeiros 1

Manifestação dos Bombeiros em Copacabana, Rio de Janeiro

Foto: Francisco Valdean

Na indignação diante do escandalo dos ricos que impoem o custo da crise aos pobres, está se recompondo uma nova nova classe de trabalhadores.

São essas lutas “indignadas’ dos pobres, dos favelados removidos, dos bombeiros e professores do Rio de Janeiro, dos estudantes de Vitória pelo passe livre, dos operários de Jirau e da Volks do Paraná pela remuneração de um trabalho que hoje em dia envolve a vida, que devem constituir o horizonte político diante da crise cada vez mais profunda do capitalismo global. Somente nas lutas desse Brasil “menor”, dos pobres, da inovação democrática e “reinvenção” de Porto Alegre, é possível enfrentar o desafio MAIOR de trilhar novos caminhos: para fora da globalização neoliberal e continuando a derrotar as grotescas tentativas da elite ultra-conservadora e de sua “turminha” do “Basta” de se “indignar” para impor seus escandalosos interesses. O Brasil somente será “maior” se conseguirá transformar a significação desse adjetivo: o que nos interessa é o maior dos pobres, dos trabalhadores, dos sem terra, ou seja do Brasil menor!

Este número da Revista Global Brasil traz então a definição conceitual e política de biolutas, para buscar dar conta desses novos conflitos, protestos e tumultos, que são marcados justamente em torno do duplo e paradoxal processo de inclusão e fragmentação da vida no trabalho. É dentro do conceito de biolutas que a Rede Universidade Nômade tece, neste novo número da Global, sua perspectiva de análise dos acontecimentos desse MundoBraz, ou seja, desse processo de exploração que atravessa todo o globo, ao mesmo tempo, que dentro dele nascem novas perspectivas de construção de espaços comuns de lutas e políticas democráticas.



Comments are closed.




Editorial Universidade Nômade Edição Atual
Trânsitos Maquinações Edições Anteriores
Conexões Globais TV Global Sobre
Dossiê Galeria Contato
Licença Creative Commons
Os textos da Global Brasil estão sob uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
Global Brasil é uma publicação da Rede Universidade Nômade
Global Brasil é a edição brasileira associada ao izle
Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião da revista.