‘Arraiá’ da Resistência (Fabiano Nunes)





Fabiano Nunes

Quem não está, não existe! Em espaços onde a realidade não necessita ser buscada, que ela se apresenta cruelmente como a companheira fria de uma luta de equalização de direitos frustrada, a luta pela vida é carne. É fome. É resistência diária.

Alguns séculos atrás, um africano guerreiro escravizado – como tantos outros, arrancado de sua terra – profundo conhecedor das forças dos ferros dos quilombos da nossa terra brasilis, não foi vencido pela dureza das chibatadas e pelos interesses dos poderosos senhores: o guerreiro quilombola Manoel Congo propunha a revolução, a resistência, a luta pela transformação daquela relação apodrecida de poder. Proposta difícil para a época da escravidão assumida; proposta de resistência nesta nossa época de escravidão dissimulada e alimentada pelos detentores de poder público (coitados, não sabem o que os espera!). Brasileiro anestesiado pelos interessados em governar um “povo-gado” é expulso de casa e posto na beira de qualquer ventania. Anda sem forças e sem fim, carregando o pouco que restou de si mesmo e de seus filhos. Mas esses restos ainda ateiam fogo às vestes dessa estrutura nojenta de “governo” que se esquece da humanidade, e esquecendo seus irmãos de espécie, assina papéis timbrados num ar-condicionado que resfria o amor. Não. No chão da nossa terra tem sangue e suor do nosso povo escravizado. Da dor nasceu a resistência.

Manoel Congo não morreu, ele está pintado nas paredes e nos músculos de quem não está dormindo. Ele dá o nome da ocupação de moradia que se mantém cada vez mais forte e estruturada, vivenciando uma nova organização social que permite o direito à vida. Os anestesiados que continuem com suas nádegas atochadas nas almofadinhas de estrume, mas ouçam o barulho que vem das ruas, o som da realidade do fim dessa desonra humana que os nossos “eleitos” financiados insistem em manter. A realidade não é estática e quem indicará o caminho da mudança é a necessidade de vida.

REFORMA URBANA é necessidade. Ocupação de espaços públicos ociosos é necessidade. Repensar e reorganizar é necessidade. Gente não pode ser tratada como mercadoria. Não somos números. A vida é mais urgente. A escravidão de concreto vai cair.

O líder guerreiro Manoel Congo e Mariana Crioula, rainha dos quilombos, casaram-se em uma noite de São João, ali mesmo, no centro do Rio de Janeiro, apadrinhados por Dulcina de Morais e Odilon, abençoados pelas crianças e pelos palhaços, numa festa de danças e capoeira, de manifesto e resistência. De braços enlaçados bateremos com os pés no chão e entoaremos a canção em memória do nosso sangue misturado. O sangue um. O brasileiro guerreiro, filho da miscigenação sabe que essa terra é nossa. E se não souber, a gente conta pra ele… Não se governa nem se organiza à base de choque.

“A força fez os primeiros escravos, a covardia os perpetuou na escravidão”, mas da dor nasce a resistência!

Resistir é grito de guerra! E essas, são músicas de guerra:

“A nossa luta é todo dia, moradia não é mercadoria”.

“1, 2, 3, 4, 5, mil, ou faz reforma urbana ou paramos o Brasil!”

“O povo na rua, governo a culpa é sua”.

“Eu só quero é ser feliz, morar tranqüilamente no lugar onde escolhi, e poder me orgulhar e ter a consciência que esse aqui é o meu lugar”.

RESISTIR!

Essa é a homenagem de artistas apaixonados pela história de uma causa nobre e real, da nobreza e da realeza daquela gente sofrida que luta por um espaço digno para morar, propondo novas formas de relação e de organização urbana.

Saudação e agradecimento especiais à Lurdinha, diretora nacional do MNLM (Movimento Nacional de Luta pela Moradia) e diretora geral da Ocupação Manoel Congo, que nos recebe sempre de coração aberto e nos ensina sobre a arte da resistência; à Raquel, coordenadora do grupo de jovens dessa ocupação, lutadora incansável; aos jovens; a todos os moradores da ocupação e, principalmente, às crianças, nossas mestres e motivo maior para que continuemos na luta pela resistência calcada no amor.

E um grande “bravo!” à grande atriz Dulcina de Morais (1908-1996), figura essencial para a transformação dos cenários artístico e político brasileiros, e responsável por inúmeros atos de coragem e resistência cultural.

A força da revolução habita o espaço vivo que há entre os corações de quem vislumbra a transformação, por menor que pareça.



One Response to “‘Arraiá’ da Resistência (Fabiano Nunes)”

  1. Rosimary2010 Ferreira disse:

    EU SOU MORADORA DA OCUPAÇÃO MANOEL CONGO ESTOU MITO FELIZ EM DIZER QUE EU TIVE ESTA OPORTUNIDADE DE OCUPAR O PRÉDIO DO INSS DA RUA ALCINDO GUANABARA VINTE JÁ ESTOU AQUI DESDE O CINE VITÓRIA EU POSSO DIZER EU SOU FELIZ OBRIGADA




Editorial Universidade Nômade Edição Atual
Trânsitos Maquinações Edições Anteriores
Conexões Globais TV Global Sobre
Dossiê Galeria Contato
Licença Creative Commons
Os textos da Global Brasil estão sob uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
Global Brasil é uma publicação da Rede Universidade Nômade
Global Brasil é a edição brasileira associada ao izle
Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião da revista.