Assembléia dos Prazeres (Ezequiel de Oliveira Tomé)





Ezequiel de Oliveira Tomé

Essa mobilização não é outra coisa senão um manifesto público em busca de respostas às atitudes dos governos municipais e estaduais, em relação às comunidades situadas em encostas, mais especificamente Favelas, ditas áreas de risco, claramente declinando a democracia para uma nova  velha política de segregação e autoritarismo. Governando de uma forma para ricos e de outra para os pobres. Dois pesos duas medidas. Para os ricos das encostas, contenções de encosta e presto restabelecimento dos serviços. Para os pobres imposições de decretos e uso abusivo da força, respaldados  em leis que antes contemplavam as favelas e que agora se interpretam de forma contrária. Relegar a nossa dignidade e cidadania à remoções é lamentável retrocesso.

Segundo representante da GEO-RIO, geólogo, homem de idoneidade técnica respeitável, seriam plenamente habitáveis as encostas, caso fôssemos ricos, capazes de bancar os custos com a regularização dos terrenos e a ordenação dos serviços básicos, como: coleta de lixo e saneamento. Disse ainda que, a prefeitura, descapitalizada, não tem interesse mais em investir. Risco real geológico ou risco socioeconômico? Plano habitacional consciente ou demagogia para lavagem de dinheiro em obras fraudulentas nas licitações desde o início e que não incluem se quer os deficientes fiscos ou prevêem as complementações possíveis aos futuros moradores como: poços de elevadores em conjuntos verticais com determinados números de andares, rampas de acesso e portas adaptadas, etc.

Remoção: substantivo feminino. Ato ou efeito de remover. (mini Aurélio)

Remover: Verbo transitivo direto.

1.      Mover ou retirar para outro lugar, deslocar, transferir

2.      Por distante; afastar

3.      Fazer desaparecer, desfazendo, desmanchando, etc.

Já estávamos sendo removidos sistematicamente, desde que assumiram os Senhores: governador Sérgio Cabral e prefeito Eduardo Paes. Elitistas, déspotas, que, ao se certificarem

dos mega eventos: Olimpíadas, Paraolimpíadas e Copa, viram a possibilidade do plano perfeito. Não é verdade, defensor ferrenho das remoções desde a Sub-Prefeitura da Barra, Sr. Eduardo Paes?

As favelas, antes redutos eleitoreiros, serviram ao uso e podem  ser  descartadas. Agora somos marginais, invasores irracionais. Mal educados pelos pais e não pelo sistema. Culpados pelo lixo das encostas, insignificantes. Onde estavam os planos brilhantes agora tirados da cartola? E a atual gestão estadual e municipal? Não existíamos até o fatídico dia 5?

A desgraça do Zé polvinho caiu como luva. Álibi perfeito; só que ao custo de vidas. E, se não somos mutações serviçais, algum tipo de gado, vidas humanas.

Choraram lágrimas copiosas de crocodilo pelos royalties do Pré-Sal sem, contudo, prestar sequer uma homenagem as nossas vítimas de forma convincente. Vitimas de um descaso continuado e programático, como corte nos orçamentos de órgãos responsáveis pela prevenção aos riscos. Descasos de quem conhecia os riscos e não usou de meios cabíveis para saná-los ou diminuí-los, porém, cinicamente deixou acontecer. Ganância de quem se entorpeceu pelos bilhões que serão lavados nas muitas fraudes que são de prática comum nesse país.

Em vez de se condoerem com os entes abatidos e desconsolados pela tragédia, tentaram a eutanásia das comunidades a golpe de marretas e de Estado. Desrespeitando o momento de angústia dos moradores, semelhante a Nero,  alimentaram mais as chamas com terrorismo psicológico sobre falsos dados de riscos generalizados e não pontuais.

Tudo isso sem dó e sem culpa. Duma forma desordenada, desumana, sem articulação. Semeando o pão  que cala a boca. Esmolando as comunidade com fieis doações de pessoas sérias e comovidas com o caos estabelecido tanto pelas famosas “chuvas de março”, ainda mais impiedosas  pelos agravos ao clima global, quanto pelos governos com suas atitudes desmedidas. Sinceramente… Vem ai o circo futebolístico da copa do mundo. Saciados e alegres certamente se esquecerão de tudo. Jamais! Diante de tamanha humilhação e rompimentos dos direitos humanos e cívicos já conquistados, Circo e Pão serão extintos. Os culpados serão revelados e justamente serão julgados e condenados. Deus é fiel!

Parabéns a Brasília por seu aniversario, lamentando profundamente a mancha em seu vestido de festas, provocado pelo derramamento do cálice da falta de pudor e corrupções. Lutaremos para que não sejas removida de nossas memórias. Com honra, sairemos vencedores e seremos, de fato, símbolos de democracia e modelo para o mundo.

Obrigado!



Comments are closed.




Editorial Universidade Nômade Edição Atual
Trânsitos Maquinações Edições Anteriores
Conexões Globais TV Global Sobre
Dossiê Galeria Contato
Licença Creative Commons
Os textos da Global Brasil estão sob uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
Global Brasil é uma publicação da Rede Universidade Nômade
Global Brasil é a edição brasileira associada ao izle
Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião da revista.