Kairós junino (Bruno Cava)


Assuntos:



AE06

Quantas pessoas têm a chance de experimentar um momento histórico, enquanto ele ocorre? Quantas não passam as vidas inteiras, ansiando por tempos de agitação, sem a chance de vivenciar um dia sequer de uma abertura para o porvir? E ficam melancólicas, inautênticas? Ficam suspirando por outras épocas, de onde seus heróis mortos falam num tom inacessível de aventura e terror, quando quase se pode sentir o calor das assembleias, a espreita das batalhas, amores trágicos e perseguições imoderadas?

Hoje, não temos razão para melancolia. Se existe uma definição de momento histórico, este é um deles. A perplexidade faz parte, porque estamos no meio da fumaça. Caminhamos sobre o terreno da incerteza radical, por onde erram nossos humores, na oscilação entre entusiasmo e decepção absolutos.

O fracasso da velha esquerda em pautar e conduzir os protestos não precisa necessariamente significar que os protestos não sejam de esquerda, como alguns sentenciaram horrorizados. Talvez signifique que a velha esquerda não seja mais esquerda. Não mais. Talvez signifique, aliás, que seja a hora de a velha esquerda reaprender a ser esquerda. E antes o levante qualificar a esquerda, do que esta a qualificá-lo. Ser esquerda, aliás, não é isso? Requalificar os partidos, os sindicatos, os movimentos sociais, o “terceiro setor” altermundista e todos quantos, a partir do movimento real que põe tudo a mover-se?

Triste mesmo é quem vive um momento histórico e já torce para que passe logo, para que tudo volte ao status quo ante, de volta a suas reuniões obscuras e marchinhas anódinas de 50 ou 100 cupinchas, balançando as mesmas bandeiras. Também sucede aí uma zona de conforto, uma sensação bovina de segurança em não precisar se relacionar com o outro radical — com o outro do mundo que continuou se transformando, apesar de nossas ideologias e convicções de ferro. O esquerdismo nunca foi tão esquerdista. Como pessoas paralisadas de medo diante da cinza vulcânica, prestes a virar estátua fúnebre.

Enquanto isso, a grande imprensa e setores da direita, mais espertos e muito bem organizados neste país, não cessarão de desqualificar o sentido político das manifestações. Trabalham incansavelmente, na imagem e no discurso, todas as suas contradições e ambiguidades, tirando proveito do que puderem. Só reconhecem as pautas que lhes interessam diretamente: o resto será ingenuidade ou crime. Fora dessas pautas, não deixarão de promover o receituário da criminalização da revolta e mobilização popular, no caso extremo com o discurso do terrorismo, em mais uma ditadura comissária, agora sob o cajado supremo da FIFA. Apelarão aos bordões mais batidos, às invocações morais mais mecânicas. Tentarão frear o ímpeto constituinte, sabotar as redes de organização, cooptá-las, desmobilizá-las pela intimidação, a culpa e o cansaço, para que o medo retorne ao “lado certo”. Tudo isso já sabemos, e deveríamos estar vacinados.

Passado o justo entusiasmo, é preciso reorganizar o pensamento. Sem engessar, permitir-se porém uma avaliação mais ou menos lúcida de apoios em que possamos precariamente nos segurar. O fato é que tudo mudou no junho quente. Quem acha que vai passar incólume está enganado: nada será como antes. Ainda que irresolvidos, os próprios problemas mudaram. Até o poder constituído, tão burocrático e amarrado de legalismos, acordou no Brasil de junho, apressando-se em esboçar concessões e oferendas, a fim de amortecer o impulso constituinte. Porque este, mais do que em assembleias ad hoc, já está solto. Subsiste em estado bruto, na confluência de insatisfações muito concretas, de demandas muito concretas, de uma percepção precisa a respeito da posição reservada à maioria da população no novo Brasil. O futuro do Brasil do futuro está mal organizado e distribuído, do ponto de vista dessa maioria que participa e apoia os tumultos. É essa maioria, — deliciosamente monstruosa, nada silenciosa, maioria aliás que ruge, — é ela quem porta em si mesma e por si mesma a força de transformação.

A Copa deste ano vai chegado ao fim, e pode ser que as grandes manifestações de rua tenham atingido um ponto crítico. Nem tanto um ponto de esgotamento, mas de transmissão. Por um lado, o poder constituinte por assim dizer “a quente” exerce o papel de fazer o medo mudar de lado. Passá-lo para o lado de lá, conferindo cá a sensação de que é possível, sim, que nós podemos. Por outro lado, em paralelo aos milhões se manifestando nas ruas, acontece também um trabalho mais “a frio” (digamos, menos fervente), que multiplica encontros, instâncias, fóruns, redes e alianças. Esse espessamento de organização também é poder constituinte, porque confere duração e qualifica a potência acumulada.

As manifestações não são espontâneas. Espontaneidade seria sair do trabalho ou da escola para assistir à TV, tomar um banho, de repente encontrar os amigos. Sair às ruas para expressar-se em meio a uma multidão de gente, qualquer que seja a roupagem simbólica, já não pode ser um ato de espontaneidade irrefletida. Para uma indignação mecanizada bastaria aderir às caretas dos âncoras do telejornal, ou emular uma impostação moral qualquer do editorial do jornalão, sobre qualquer tema que seja. Espontaneamente, ao ter contato com essas pulsões da grande imprensa, somos poupados de nos indignar, como quando assistimos a comédias e a risada de fundo efetivamente ri por nós. A indignação que chega às ruas no meio dos outros, diante de bloqueios policiais, não é risada enlatada. Num evento desses, o corpo desembota, recupera o viço. Aí está, também, um manifesto político, à revelia das bandeiras ou antibandeiras que sejam ostentadas. A subjetividade já está em processo.

Reduzir as expressões das ruas à pura negatividade, como um caos niilista, perde de vista o essencial. É exatamente isso que pretende que acreditemos quem não quer que nada mude, e não por acaso se infiltre nos movimentos para encobrir as suas tendências construtivas, exacerbando a linha caótica de interpretação. A negatividade a que temos assistido só acontece, aliás, porque assentada sobre uma positividade maior. Desejamos essa positividade, daí não aceitarmos o que nos oferecem, numa recusa por vezes tumultuada e assustadora. A dignidade é primeira. Eu me revolto contra o sistema de transportes, porque sei que é possível experimentar a mobilidade urbana de outra maneira, e que seja possível construir politicamente um transporte menos superlotado e lento, menos humilhante, e que seja potencialmente gratuito.

Se me indigna a gestão policial dos territórios dos pobres, é porque conheço outras formas de auto-organização, formas políticas e culturais muito mais cooperativas, alegres e democráticas. Se estou sonhando alto com essas formas, é sonho porque quero generalizá-las, mas o sentimento que existam e me sejam próprias já está aqui. Já as vivencio como reais e sei que muitos o fazem. É um “possível atual”, como diria Deleuze, que preenche o presente de sentido.

Se me ofende o modo como realizam os megaeventos, é porque vejo como estão na base de um projeto de cidade diametralmente oposto à vida na cidade (que esse mesmo projeto explora). Tenta frustrar uma cidade viva onde me vejo mais livre e produtivo: querem me renegar dessa urbanidade abundante.

O trabalho do positivo, para as revoltas, está em entrelaçar os pontos dessa vida mais rica de sentidos e dignidades, num projeto encarnado de cidade, trabalho e cidadania.

Nesse sentido, não são mesmo manifestações voluntaristas. Estão muito bem calcadas num projeto em formulação multitudinária, ainda que seja hoje um projeto caleidoscópico e bastante confuso. Como não seria, se a própria ideia de organização política mudou nos últimos tempos? A realidade está solta, sem gentileza pros esquemas. Não temos as ferramentas para enxergar e tatear isso. Estão sendo criadas, no movimento mesmo, embaralhando as cartas com que nos habituamos a jogar. Criemos!, como solicita o meu amigo Luís Alencar. Mais que petição de humildade, é a percepção impositiva que, num momento assim, tudo tem de ser construído.



Comments are closed.




Editorial Universidade Nômade Edição Atual
Trânsitos Maquinações Edições Anteriores
Conexões Globais TV Global Sobre
Dossiê Galeria Contato
Licença Creative Commons
Os textos da Global Brasil estão sob uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
Global Brasil é uma publicação da Rede Universidade Nômade
Global Brasil é a edição brasileira associada ao izle
Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião da revista.