ESQUIZOPOÉTICA / Pedro Laureano Sobrino


Assuntos:



ESQUIZOPOÉTICA – Pedro Laureano Sobrino

A esquizopoética não tem método. Ela faz  aquilo que Deleuze pedia a respeito do procedimento da filosofia: se contenta em rosnar, coçar, convulsionar-se como um animal, e não em aprender a bem pensar. A esquizopoética rosna, convulsiona-se, grita, uiva, articula sopros e palavras conforme um estranho alfabeto em que o corpo é tatuado pelos signos. Corpo da cidade, do negro, do mulato, do analfabeto, do “Classe C”, do mauricinho, do trabalhador precário.

Mas a esquizopoética é um pouco míope a essas figuras ainda demasiadamente sociológicas; e da psicologia ela só retém o essencial: nada.  Ela não se interessa por seus sentimentos, por sua compaixão, mas se conjuga com o animal que há dentro de você, e devém animal, ela mesma, no processo. Nenhuma bestialidade, entretanto. A esquizopoética é ciência, e, como tal, precisa. Mas fractal, antes que geométrica; ambulante, antes que sedentária. A esquizopoética não tem orgulho nenhum de ser nômade: ela o é por necessidade, e conforme ao axioma da estética da Fome, de Glauber Rocha, de que tudo de bom que a humanidade (mas a esquizopoética desconhece a humanidade) foi capaz de produzir nasceu do estomago.

A esquizopoética é uma culinária política, como nos ensina um de nossos pais (o que mais amamos devorar no banquete totêmico), Oswald de Andrade. Culinária dos corpos e dos signos disjuntos, da parcialidade intensa de um corpo fabricado, artificial, queer, travesti, gigolô. Somos parciais, nunca relativos. Tatuamos nossos signos sobre os corpos urbanos, indígenas e ambientais. Então, o que é um signo, para a esquizopoética, qual a sua política dos signos?

Sabemos (quem sabemos?) que o que de interessante aconteceu em arte, no século XX, desde Baudelaire a Rimbaud, desde Francis Bacon aos surrealistas, desde o modernismo brasileiro aos pontos de cultura(!), referiu-se a elevação do signo (escritural, colorativo, linguístico, plástico, etc.) para além da representação. Se Baudelaire cantava —ainda com a má-consciência do tormento romântico, é certo— o sublime em uma puta, um mendigo, ou num menino diabolicamente travesso, Oswald cantará o Brasil menor dos mulatos, dos acrobatas do asfalto, dos Índios sem nenhuma indianidade. O selvagem assiste indiferente às líricas que tentam qualificá-lo de bom, e sereno janta Olavo Bilac em sua taba.

A esquizopoética conjuga o sublime ao grotesco, portanto, e seu signo porta a violência de um encontro, não de uma representação. De fato, perdemos qualquer capacidade de representar o que quer que seja. Nossos itinerários são ambulantes (daqueles ambulantes que atravessam a cidade e compõe sua poesia móvel) e encontramos nossas palavras nas bocas dos mendigos, dos vagabundos, mas também dos doutores, das peruas, dos políticos. Nossos signos são capazes de vestir os reis de sua nudez, e como diz um artista que já militou na esquizopoética em algum momento de sua carreira, contentamo-nos em perceber “que o rei é mais bonito nu”.

A esquizopoética é uma política dos signos. Ela ama o feio, mas não tem qualquer fetiche por ele: atingir nosso próprio ponto de subdesenvolvimento, como diria o outro (Deleuze). A esquizopoética conecta-se à política nos lugares mais insuspeitos: no ato falho de um governante (poesia das avessas), no delírio de um esquizofrênico liberto do hospício, nos dizeres pichados em muros pelas cidades. Trata-se de fabricar uma língua nova que fuja dos clichês que nos aprisionam em respostas prontas. Nossa língua não se reparte mais em uma obra, ou um autor: trata-se de dessacralizar o lugar da arte para surpreendê-la no heterogêneo.  A esquizopoética existe aonde existem redes produtivas que fazem poesia a partir da Multidão (Negri e Hardt): uma épica urbana, indígena e ambiental sem autoralidade. Se Homero é o poeta anônimo do mundo mítico pré-filosófico, nós somos os poetas anônimos do mundo pós-moderno que nunca foi moderno. A esquizopoética não é um nome: podemos chamá-la de qualquer coisa. Não advogamos qualquer anarquia, apenas amamos o que não é nosso. Só me interessa o que não é meu (Oswald): roubamos, não trocamos. E as citações são como assaltantes nas estradas (Benjamim).

Reivindicamos uma política dos signos que nasce do estômago e a ele deve retornar.



Comments are closed.




Editorial Universidade Nômade Edição Atual
Trânsitos Maquinações Edições Anteriores
Conexões Globais TV Global Sobre
Dossiê Galeria Contato
Licença Creative Commons
Os textos da Global Brasil estão sob uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
Global Brasil é uma publicação da Rede Universidade Nômade
Global Brasil é a edição brasileira associada ao izle
Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião da revista.