DESCARTOGRAFIAS / Mariana Novaes


Assuntos:



DESCARTOGRAFIAS VISUAIS, SONORAS E AUDIOVISUAIS: uma experiência coletiva no Recôncavo Baiano – Mariana Novaes

Rádio Interofônica é um coletivo que surgiu em 2010 pela fusão de dois outros grupos – Ondas Radiofônicas (RJ) e Rádio Amnésia (BA/PE/PB) – e criado para realizar atividades de rádio-arte durante o Circuito Interações Estéticas, promovido pela Funarte. Atuou nas capitais São Paulo, Recife, Belo Horizonte e Rio de Janeiro. Em 2012, pela primeira vez, o coletivo atuou em uma cidade do interior. O presente texto trata desta experiência em Cachoeira (BA).

O projeto “Rádio Interofônica #5: Descartografias visuais, sonoras e audiovisuais” produziu um mapeamento diferenciado da cidade e região, consistindo em uma cartografia livre das artes visuais, sonoras e audiovisuais em Cachoeira. Foram utilizados sons, imagens, espaços e idéias como dispositivos relacionais, em um processo compartilhado com artistas locais, artesãos, estudantes e outras pessoas da comunidade.

O trabalho consistiu na criação de uma rádio temporária e no desenvolvimento de uma cartografia mais subjetiva da cidade. Desenvolvemos estratégias para instaurar espaços de encontro e realizamos tais atividades com ações catalisadoras como: ter a sede das duas atividades (mapeamento e rádio) em um mesmo espaço físico; concilia atividades conjuntas com a programação do 3o. Festival de Intervenções Artísticas do Recôncavo (FIAR); e agregar ao coletivo de trabalho pessoas já residentes na cidade, criando um grupo interdisciplinar.

Partimos do princípio de que a linguagem radiofônica entra em ação como uma plataforma relacional de encontro, contaminação e diálogo entre habitantes e estrangeiros, entre tradição e contemporaneidade. Na transmissão ao vivo, além de colocar em contato os conhecimentos e musicalidades trazidas por artistas visitantes, pudemos explorar a dimensão da palavra falada, possibilitando o acontecimento de entrevistas e debates. A prática cartográfica foi apropriada para, no projeto, funcionar como um caminho para repensar e propor outros usos para os espaços públicos. Viabilizou a reflexão sobre estar no mundo e, também, sobre as relações que se entrelaçam para formar um território propício para produções multidisciplinares.

Na sede do projeto montamos a rádio e foi de onde transmitimos programas de música com artistas locais e do cenário nacional. A programação musical contou com artistas da região, que já conta com um amplo cenário: dos grupos de samba duro aos artistas de reggae. Também realizamos entrevistas/bate-papos ao vivo, através de ondas FM, nos 88,5 MHz, e pela internet, através do link no blog do projeto <http://radiointerofonica.wordpress.com>.

No mesmo espaço físico onde estava a rádio, fixamos na parede uma lona (2 x 7 metros) que serviu como suporte para o exercício de cartografia. O mapa foi iniciado contendo somente algumas ruas e acidentes geográficos. Depois, cada pessoa intervinha e o ampliava com novas ruas, pontos do seu campo de interesses ou mesmo desenhos-ícone – colocando-se, assim, na cartografia.

Com a rádio transmitindo 24 horas por dia, alguns participantes passaram a realizar intervenções pela cidade, espalhando grafites com a frequência e sintonizando a rádio no espaço público. Estas ações objetivaram não somente trazer pessoas para a sede da rádio, mas derivar pela cidade, encontrando seus moradores em seus territórios, experienciando outras temporalidades e ampliando nossas percepções da cidade. Alguns temas para este movimento nômade foram: mapeamento fotográfico dos grafites já existentes; explorações sobre territórios periféricos, como a favela do Viradouro; passeio pelo rio Paraguassú, observando Cachoeira e a cidade vizinha de São Félix a partir do ponto de vista do rio; visita a diversos terreiros, de diversas nações de candomblé; descobrimento de tampas nas calçadas com a insígnia Aldebarã; entre outros.

O resultado dessas vivências, transposto para o mapa na lona, agregou outra camada de intervenção no mapeamento físico da região, que já vinha sendo construído com todos que passavam pela sede do projeto.

Estabelecemos uma parceria com o grupo de pesquisa Link Livre, da Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB), que já vinha realizando um trabalho de mapeamento digital da região, tendo como plataforma o projeto OpenStreetMaps, uma vez que a cidade não possui mapa na plataforma Google Maps. Enquanto o mapa de Cachoeira era ampliado na lona através desta colaboração processual, o grupo Link Livre atualizou a representação virtual da cidade no projeto OpenStreetMaps. E partir desta atualização, a plataforma MapaRec (projeto do Link Livre) foi ampliada, permitindo que qualquer usuário possa marcar seus pontos ou trajetos no mapa virtual, com informações multimídia. No processo, portanto, as referências dos participantes foram expressas através de fotos, áudios, textos e vídeo e transpostas para a plataforma MapaRec <http://maparec.ufrb.edu.br/>.

Os recursos artísticos, comunicacionais e tecnológicos foram utilizados como dispositivos para enriquecer as relações identitárias durante o processo, reforçando o protagonismo de quem retrata e é retratado no mapa produzido coletivamente. O encontro entre diferentes pôde afirmar identidades enquanto construía novas possibilidades de reconhecimento, sem subjugar ou negligenciar as diferenças presentes entre agentes de contextos diversos. Neste sentido, promoveu-se a contaminação – onde contaminar-se pelo outro não é confraternizar-se, mas deixar que a aproximação aconteça e que as tensões se apresentem. E foi deste estranhamento que o encontro se estabeleceu.


Mariana Novaes é mestre pelo PPGAV/EBA/UFRJ, linha Poéticas Interdisciplinares. Artivista, atua com mídia-educação e processos colaborativos com não artistas. Foi bolsista de projetos de extensão voltados à arte pública durante os anos de sua formação. Participou, como artista convidada, do projeto “Ondas Radiofônicas”, realizado através do Prêmio “Interações Estéticas” (Funarte/MinC) com jovens do bairro da Maré. Atualmente integra o Coletivo Rádio Interofônica.

http://mariananovaes.wordpress.com/



Comments are closed.




Editorial Universidade Nômade Edição Atual
Trânsitos Maquinações Edições Anteriores
Conexões Globais TV Global Sobre
Dossiê Galeria Contato
Licença Creative Commons
Os textos da Global Brasil estão sob uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
Global Brasil é uma publicação da Rede Universidade Nômade
Global Brasil é a edição brasileira associada ao izle
Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião da revista.