Indignemo-nos também contra o racismo / Alexandre do Nascimento


Assuntos:



Alexandre do Nascimento

Não viajaria em avião pilotado por cotistas, nem aceitaria ser operado por médico [ex-cotista]” (Jair Bolsonaro, Deputado Federal, no programa CQC, em resposta a uma pergunta sobre sua opinião em relação às cotas para negros nas universidades). Grifo nosso.

Não vou discutir promiscuidade. Eu não corro esse risco e meus filhos foram muito bem-educados e não viveram em ambiente como lamentavelmente é o teu” (Jair Bolsonaro, em resposta à cantora Preta Gil quando esta perguntou sobre a eventualidade de um filho dele ter envolvimento amoroso com uma mulher negra, http://www.youtube.com/watch?v=UrLpLXe-q08). Grifo nosso.

“Tem um cara que eu sou muito fã desde criancinha e acho que foi ele que me fez ser artista…Era um cara que, na sua época, negro, caolho, um metro e cinqüenta, chamado Sammy Davis Jr., que quando entrava no palco saía com dois metros de altura, loiro, de olho azul”. (Rodrigo Lombardi, ator, no Programa Domingão do Faustão em 04/09/11, http://www.youtube.com/watch?v=tg7MHZLYzWA). Grifo nosso.

“Finalmente Orlando Silva caiu do galho” (Arnaldo Jabor, jornalista, em sua coluna na Rádio CBN no dia 27/10/11. Grifo nosso.

As falas transcritas acima exemplificam como racismo no Brasil é vivo e, por isso, continua sendo uma questão que deve ser debatida pela sociedade e por suas instituições, e combatida se de fato quisermos viver em uma democracia. O que vemos nos exemplos acima não são apenas falas de pessoas preconceituosas, são atitudes, comportamentos e posicionamentos sócio-culturais e institucionais que, não raro, transformam-se em discriminações e determinam constrangimentos, oportunidades e lugares sociais.

Certa vez, conversando com uma amiga, que é casada com um ator negro que tem dificuldade de conseguir trabalho na TV, ouvi dela uma avaliação que no mínimo é elemento para uma reflexão. Segundo ela, na avaliação do casal, o sentimento do seu companheiro é que tal dificuldade deve-se exatamente ao fato dele ser negro. Infelizmente no Brasil não é difícil sentir- se assim sendo negro numa sociedade que imagina o talento com “dois metros de altura, loiro, de olho zul”, que freqüentemente relaciona negros com animais, tal como fez Arnaldo Jabor ou que, como Jair Bolsonaro, não confia em profissionais que “ex-cotistas”, na verdade negros. Aqui, notoriamente, a resistência reacionária à política de cota não está na cota, mas na cor da cota, o que me parece ficar nítido da atitude do jornal O Globo quando a campanha nacional em defesa das políticas de ação afirmativa para negros no Brasil, especificamente as cotas nas universidades, intitulada “Afirme-se” (http://afirmese.blogspot.com), produziu uma peça publicitária para veiculação em jornais de circulação nacional: a direção do jornal, depois de ter acesso ao conteúdo do texto da campanha, e após ter apresentado para a Agência Publicitária que produziu o conteúdo o valor de R$ 54.163,20 para a publicação, decidiu que somente publicaria pelo valor de R$ 712.608,00 (valor mais de 1000% maior que o valor negociado com a Agência Publicitária), sob a alegação que se tratava de uma “expressão de opinião”, numa violação ao princípio de liberdade de expressão, que o próprio jornal diz defender.

A Caixa Econômica Federal também vacilou ao veicular na Televisão, em setembro, uma peça publicitária comemorativa dos seus 150 anos, cujo personagem, Machado de Assis, era interpretado por um ator branco (http://www.youtube.com/watch?v=10P8fZ5I1Wk). Aqui cabe uma observação: Todos nós, inclusive os publicitários, sabemos que Machado de Assis era afro-brasileiro, mas as nossas elites e autores de livros didáticos nunca se conformaram com o fato de que o fundador da Academia Brasileira de Letras seja um negro. Porém após diversas manifestações na internet e de um pedido de explicações encaminhado pela Ouvidoria da Secretaria de Políticas Promoção da Igualdade Racial – SEPPIR ( órgão do Governo da União), enviou como resposta uma carta com pedido de desculpas (http://migre.me/62gVR e http://migre.me/62hI5) , retirou a propaganda do ar e a substituiu por outra peça publicitária, agora com Machado de Assis interpretado por um ator negro (http://www.youtube.com/watch?v=GczgFMEM6Sg).

Diferente da Caixa Econômica Federal e de forma arrogante e violentamente racista, a Marinha Brasileira insiste em não reconhecer o direito das comunidades remanescentes de quilombos da Marambaia (Rio de Janeiro – RJ) e Rio dos Macacos (Simões Filho – BA). Nos dois casos, a Marinha viola o direito dos quilombolas, previsto na Constituição Federal, de permanecerem em terras que ocupam antes da marinha. E também com postura diferente ao do caso da Caixa Econômica Federal, neste caso o governo federal é omisso.

Mais recentemente, o jornalista Paulo Henrique Amorim se viu numa situação desconcertante, quando foi processo pelo jornalista Heraldo Pereira da TV Globo, por ter usado a frase “preto de alma branca” para (des)qualificar Heraldo Pereira, numa crítica sobre sua postura “subserviente” como jornalista e negro. Por força um acordo judicial, Paulo Henrique Amorim foi obrigado a se retratar publicamente pela declaração.

Eis racismo! O racismo que no Brasil é um elemento de produção de discriminações e desigualdades, e se alimenta e se reproduz em atitudes como as exemplificadas acima e na omissão das pessoas e instituições, que insistem no que Florestam Fernandes denominou de “preconceito de ter preconceito”. Não é por acaso, por exemplo, que, segundo as estatísticas do IBGE, 70% dos miseráveis no Brasil são negros e que mais de 24% dos negros que morrem são por causas violentas, principalmente resultantes de armas de fogo (grande parte do Estado, através da polícia).

Por esse e outros motivos, não é por acaso que, historicamente no Brasil, existe um expressivo movimento social negro, constituído por ativistas e organizações atuantes na denúncia e luta contra o racismo e as desigualdades raciais. É o movimento social negro, com suas ações políticas e culturais, o responsável pelos pequenos avanços que tivemos nas últimas décadas, no que diz respeito à promoção da igualdade racial, como a legislação que criminaliza a discriminação racial (Lei Federal 7.716/1989 – Lei Caó), que tornou obrigatório o ensino de história e cultura africana e afro-brasileira (Artigo 26A da Lei Federal 9.394/1996 – Lei de Diretrizes e as Bases da Educação Nacional ), que propõe ações afirmativas em diversos campos da vida social (Lei Federal 12.288/2010 – o Estatuto da Igualdade Racial), como as políticas de cotas para negros que existem em diversas instituições de ensino superior e concursos públicos estaduais e municipais. Essas políticas têm sido importantes para a democratização dos direitos e universalização material do que é formalmente definido como o que todas as pessoas devem ter acesso, do que deve ser comum, cujo princípio fundamental é a igualdade como condição; condição material, ou seja, acesso à moradia, aos cuidados com a saúde, à educação formal, à renda básica de cidadania, aos meios de acesso e produção de informações, conhecimentos e culturas, como base comum para o desenvolvimento social e econômico.

Entretanto há muito que fazer ainda para atingirmos um nível em que, pelo menos, falas racistas como as que transcrevemos no início deste texto causem indignação para além do âmbito do ativismo negro e anti-racista. Sobretudo no que diz respeito ao Artigo 26-A da Lei de Diretrizes e Bases da Educação e ao Estatuto da Igualdade Racial, é fundamental intensificar as ações para sua efetivação, pois a educação é o principal instrumento de mudança das relações raciais. É preciso indignar-se contra o racismo e as discriminações, o que significa também ocupar escolas, universidades, teatros, telas de cinema e de televisão, orçamentos públicos, mídias e instituições em geral com debates sobre a questão, ações afirmativas e conteúdos que valorizem as culturas afro-brasileiras, as múltiplas singularidades, a democracia e, pois, o Comum.



2 Responses to “Indignemo-nos também contra o racismo / Alexandre do Nascimento”

  1. Pierre disse:

    Muito bom, precisamos mudar a mente das pessoas deste país para uma realidade em que temos, onde ou somos mestiços ou negro. Vamos dar um passo a frente e acabar com a ideia de desigualdade, mostrando que todos podem ser o que querem.

  2. Pierre disse:

    Muito bom, precisamos mudar a mente das pessoas deste país para uma realidade em que temos, onde ou somos mestiços ou negro. Vamos dar um passo a frente e acabar com a ideia de desigualdade, mostrando que todos podem ser o que querem.




Editorial Universidade Nômade Edição Atual
Trânsitos Maquinações Edições Anteriores
Conexões Globais TV Global Sobre
Dossiê Galeria Contato
Licença Creative Commons
Os textos da Global Brasil estão sob uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
Global Brasil é uma publicação da Rede Universidade Nômade
Global Brasil é a edição brasileira associada ao izle
Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião da revista.